Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Sobre o Tempo

"E um astrónomo disse, Fala-nos do Tempo.
E ele respondeu:
Se dependesse de vós medirieis o imedível e o incomensurável.
Ajustarieis a vossa conduta e até dirigirieis o rumo do vosso espírito de
acordo com as horas e e as estações.
Do tempo farieis um ribeiro em cuja margem vos sentarieis a vê-lo fluir.
No entanto, o intemporal em vós está consciente do intemporal da vida, e
sabe que o ontem não é senão a memória do hoje, e o amanhã é o sonho de hoje.
E aquele que dentro de vós canta e contempla, habita ainda dentro dos limites
daquele primeiro momento que espalhou as estrelas no firmamento.
Quem, dentre vós, não sente que a sua capacidade para amar é ilimitada?
E, no entanto, também sente que esse mesmo amor, embora ilimitado, está
confinado no âmago do seu ser, não se movendo de pensamento amoroso para
pensamento amoroso, nem de actos de amor para actos de amor.
E não será o tempo, tal como o amor, indivisível e imóvel?
Mas se em pensamento quiserdes medir o tempo em estações, deixai que
cada estação abrace todas as outras.
E deixai que o hoje abrace o passado com saudade e o futuro com ansiedade."

Gibran Khalil Gibran, em O Profeta

Nenhum comentário:

Postar um comentário