Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

terça-feira, 25 de maio de 2010

Apagaram as Luzes

Apagaram as luzes.
E eu fico aqui sozinho
Sem saída, sem caminho
Buscando pistas sem cessar,
Mas apagaram o luar
E eu já não sei por onde ir

Apagaram as luzes.
Eu me recolho entre medos
Vendo escorrer em meus dedos
As chances de me reencontrar
Não sei por onde começar
Ou se é possível, enfim.

Apagaram o luar...
Apagaram tudo enfim.
Estrelas a se despedaçar
Poeira ou algo assim

Apagaram as luzes.
O resto eu mesmo apaguei
Desfiz tudo o que achei
Apagaram as luzes.
Minhas histórias apaguei
Minhas memórias desmanchei

Apagaram as luzes.
Já apaguei as dores
Descolori as flores
Apagaram as luzes.
Os rostos apaguei
As manchas eu lavei

Apagaram as luzes
As cruzes e os abutres
As cores e os rumores
Mil fatores e amores
Todas as rimas podres
E ruínas raras
Todos os dias quentes
E as tardes claras

Todos os caminhos tortos
E as encruzilhadas
Todos os sorrisos mortos
E as mãos dadas
Tudo que tenha forma
Cor ou vida
Tudo que me machuque
Ou reabra a ferida
Apaguei o ser.

Acenderam as luzes.
Me encontrei sozinho.
Não posso apagar o que vivi
Não posso corrigir o que escrevi
Mas posso apagar isso dos outros

Um comentário:

  1. Não ignore as estrelas que novas e tímidas piscam pra ti.
    Sei que já tem as visto.

    Meu querido e amado amigo.
    Torço pra que teça um céu teu.
    Com luzes e nuvens,e tons desgradês
    Com luas e estrelas,auroras boreais.

    Amo-te :]

    Selly

    ResponderExcluir