Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Mais Nada

Do fim ao recomeço é por aqui que nos falamos
E em mais um desses momentos é aqui que desafogo
Pois sei que é evidente que irei embora logo
Terminar de uma só vez todo esse mal que nos causamos

Não somos nada um pro outro, ou foi sempre tudo assim?
Você não cabe na minha vida dessa forma que desejas
Eu não sou essa pessoa que convive com incertezas
Já não me entristece mais pensar que isso é o nosso fim

O cansaço disso tudo carregou muito de nós
Talvez tenha levado até o amor que persistia
Sobrou silêncio nesse encontro, falta de uma sintonia
Qualquer coisa pra acalmar a frustração nos meus lençóis

Mas não vou rogar por nós nem uma prece exasperada
Calo o que vier e sentencio afastamentos
Pensando só em mim em cada um desses momentos
Sei que pra você aqui já não resta mais nada

terça-feira, 26 de julho de 2016

Algo de Bom

Aos olhos de quem quer ver há sempre um algo mais
E aos teus olhos eu dedico alguns minutos desse dia
Se dissestes que viria eu faria um pouco mais
Se disseres que virá talvez eu guarde essa poesia

Aos olhos de quem quer ver há sempre um certo encanto
E eu não sei se esse é o teu caso, mas se for deixo também
Se dissestes que viria eu nem pensaria tanto
Então se é pra não pensar, encerra tudo e vem

Aqui as coisas são estranhas, não note a decoração
Eu tive muito pouco tempo pra evitar essa impressão
Então se irás me ler, leia algo de bom tom
Não quero te convencer, nem insistir, nem nada não
Mas devo lhe dizer que aqui em meio a confusão
Sobrou esse tempinho pra te escrever algo de bom

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Desespero

As madrugadas são cruéis e passam sempre devagar
O sofrimento desses dias não se parece com mais nada
O que ronda a minha mente é minha voz desesperada
Me pedindo com urgência alguma força pra mudar

Nada rima com tristeza, só o som que se parece
Nada mais pode explicar como eu me sinto nessa hora
Confundo a minha fuga com a vontade de ir embora
Porque a poesia é só um mal do qual meu peito padece

Sentado ao parapeito calculando os meus estragos
Pode ser que chegue a hora em que a vida se acerte
Mas até esse momento só me restam uns trocados
Nada que possa mover esse corpo que é inerte
Eu não tenho solução, não tenho mais pra onde ir
Eu não tenho outra opção além de ver tudo ruir

sábado, 16 de julho de 2016

Crepúsculo

Tenho sonhado todas as noites
Com as mais diversas realidades
Em nenhum desses sonhos e noites
Eu tenho vivido verdades

Não sei descrever fielmente
O que está acontecendo comigo
Nem tudo está bem, tudo está diferente
Nem tudo o que quero, nem sei se consigo

Os sonhos continuam me levando pro irreal
Pra qualquer lugar bem longe do que eu tenho vivido
Onde as vontades gritam o que pra mim é natural
E que durante as nossas tardes eu tenho escondido

Eu não sei se quero viver de novo a realidade
Os sonhos são melhores, eu acordo renovado
Não há sinal nenhum de que virá a tranquilidade
Enquanto tudo rui nesse meu mundo acordado

domingo, 3 de julho de 2016

3 de Julho

Entre o medo de viver e esperança de acertar
O tempo vai passando apressado a minha frente
Foi-se mais um ano, amigo, agora é diferente
Novas chances pra você, tente não desperdiçar

Daqui um ano você volta aqui nesse rascunho
E avalia com clareza o que mudou na sua vida
Assim como a madrugada que passa despercebida
Vamos ver se dá pra sobreviver ao mês de Junho

Tanta vontade de ser grande te fez ficar pequeno
Se perder em opções de onde por o seu esforço
E descobrir contrariado que já não ficarás mais moço
Parece que é assim que a vida vai acontecendo

Existe tanta gente vivendo as mesmas dores
Padecendo fatalmente de sua própria ignorância
Quanto mais passa o tempo, menor é essa ânsia
De viver a ideologia, de lutar por seus amores