Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O Dia Dos Olhos

Enquanto todos os olhos passavam por aquele botequim, ele ia contra a maré, fazendo questão de observar cada um dos observadores. Ainda havia um pouco de uísque em seu copo e meio cigarro queimando no cinzeiro. A fumaça que subia dava um ar sombrio ao seu rosto, aquele ar misterioso que ele sempre buscou.

Nada roubava-lhe a atenção, nada tirava-lhe os olhos de outros olhos. Nenhum olhar era incomum. Nem mesmo as cores tinham brilho através daquela nuvem que saia devagar da sua boca. Nada. Nada. Nada... Até aquele olhar passar. Ele acordou, de um longo sono que era a sua introspecção. Precisava encontrar aqueles olhos. Uma rápida passada de olhos no ambiente. Ali estava, aquele par de olhos penetrantes, que o liam como se ele fosse um grande livro aberto, que o devoravam, sim, essa era a palavra, devoravam, como se esfinges. Era preciso desvendá-los, era preciso conhecê-los, descobrir o que guardavam por trás de tanto brilho, tanta cor.

Um leve toque em seu ombro e a fumaça se desfez, como um passe de mágica, era o garçom que lhe perguntava "mais uma dose?", "Por que não?" ele respondeu. O cigarro se apagara e agora não passava de uma pilha de cinzas, mortas. Seu sonho se desfez como uma dose de uísque chegando ao fim - deixando aquele gosto na boca, aquela vontade de mais - e os olhos sumiram como um cigarro no vento, em meio a toda a fumaça, se destruindo devagar.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

To The Other Side

"Break on through to the other side"

Eu sou o que você não vê,
Mas sou o que tens guardado,
O que você carrega na mão.
Eu sou tudo o que não há em você,
Que perfeitamente me foi dado,
Para te completar, te dar razão

Eu sou inexistente aqui,
Mas alí sou um qualquer
E em outro lugar posso só ser
Sou o nó bem dentro de ti
Que só abre quando quer
E que te amarra ao viver.

Eu sou o que divide o seu dia
Sou a noite, cada noite escura
E te assusto em cada madrugada
Sou a sua prece por companhia
E o seu flerte com a loucura
Sou o vulto na sua caminhada

Eu estou e não vou estar parado
Me movendo sem sair do lugar marcado
Observe enquanto não sou notado
Eu sou o outro lado, o outro lado

Trecho em itálico da música "Break On Through" do Doors

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Impasso

Não sei se queres crer
No que tenho a lhe dizer
Não sei vais ouvir
Mas não vou mais repetir

Não há mais o que perder
Nem mais erros pra temer
Não é preciso mais fugir
E muito menos fingir...

Não há certo ou errado
E nem o meio o termo, também
Só o que podemos ver

Sei que andei alterado
Mas se queres me ver bem
Fique aqui e não tente me entender

domingo, 26 de setembro de 2010

Sua Mão

Vendo de manhã, o que sobrou da lua
Enquanto vagas lentamente
Sozinha pela rua.

Sei que sofres, sei que chora
Sei que sentes, certamente
Mas não queres ir embora.

Não há vento, não há luz
Enquanto a noite segue quente
Só o que sua mão conduz.

Enquanto passa distraída
Com seu riso inocente
O mundo gira, sem saída

E ainda assim quando ela quer
Traz seu mundo levemente
Uma alegria que tiver.

Traz consigo de repente
Algum tesouro, algum qualquer
Que faça tudo ir em frente.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Tanto Nada

Tanta coisa passou
E o que ficou já não passa mais

Tanta coisa mudou
E o que restou me tira a paz

O tanto que desperdiçamos
Já é quase irrecuperável

O tanto que nos machucamos
Chega a ser incontável

O que pra nós já foi um tanto
Hoje é um tanto de dor

O que pra nós foi encanto
Hoje é só o fim do amor

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Cansaço

Só estou cansado...
De ter demais ou nunca ter
De ser demais ou parecer
De ver demais e nunca crer
Saber demais pra não viver

Só estou cansado...
De ter tudo esquematizado
De ser assim tão calculado
De ver o que quero apagado
Saber como serei lembrado

Só estou cansado...
Já foi mais do que bastante
E não sei mais se é importante
Se quero sempre ou um instante
Se sou assim ou inconstante

Só estou cansado...
Já foi mais do que devia
E não sei por onde eu ia
Se quero ser o que fingia
Se sou tudo o que eu sentia

Só estou cansado
Por hoje e por amanhã
Por você e por mim
De recomeço e fim
De amor certo e razão vã

Só estou cansado
Cansado demais
Demais...

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Sete

Ele estava sentado na praça, acompanhado de duas amigas que o conheciam muito pouco... mas o suficiente para serem companhias muito agradáveis. A conversa dos três passeava por assuntos que não se assemelhavam, mas que acabaram por se ligar de uma forma surpreendente.

Uma delas pediu pra que ele contasse aquela história, que ele guardava dentro de si e materializada em todos os traços de sua vida, desde as incontáveis palavras escritas até a aparência cansada e os olhos tristes. "É uma história complicada" disse, "Acho que nem eu mesmo entendo muito bem". De fato, ele ainda não conseguia compreender como tudo aconteceu e terminou tão subitamente, a única coisa que sabia era que estava errado, mas ainda assim resolveu contar. Detalhe por detalhe, ele descreveu aquela tragédia mitológica, o Eros e Psique da sua época, talvez de toda a sua existência. Tentou não deixar nada passar e ainda assim, quando acabou, percebeu que não dissera várias coisas importantes, não sabia se por opção ou se fora apenas deslizes da memória conturbada daqueles dias.

O fato é que contou. Ou melhor, exteriorizou tudo o que sentia, tudo o que sentiu, tudo o que pensou. Seus sentimentos e palavras eram tão densos que pareciam ser palpáveis no ar, pareciam estagnar no ambiente drenando aos poucos a sutil alegria do momento entre amigos."É isso, eu acho", disse meio sem saber se iria querer continuar, caso houvessem mais coisas para serem ditas, "Eu fui idiota, desperdicei um dos meus mais brandos caminhos à felicidade e matei dentro de mim, aos poucos, uma das únicas pessoas que me amou de verdade"

"Não se culpe sozinho", uma delas falou pegando-o de surpresa, "posso não saber como as coisas aconteceram em sua essência e nem ter participado de nenhum desses momentos perto de vocês, mas o pouco que te conheço mostra que você mudou, seu crescimento é visível, mas tardio, tente aceitar e dê o próximo passo: crescer por você e por ninguém mais."

Crescer por mim, por outro alguém... jamais.

Silenciando

"Um homem é mais homem pelas coisas que silencia do que pelas que diz. Vou silenciar muitas. Sabendo que não há causas vitoriosas, gosto das causas perdidas: elas exigem uma alma inteira, tanto na derrota quanto nas vitórias passageiras. Criar é viver duas vezes... Todos tentam imitar, repetir e recriar sua própria realidade. Sempre acabamos adquirindo o rosto das nossas verdades."

Albert Camus

domingo, 19 de setembro de 2010

Certeza

"Todo homem que teve amores verdadeiros, revoltas verdadeiras, desejos verdadeiros, e vontades verdadeiras, sabe muito bem que não tem necessidade de nenhuma garantia extrema para ter certeza dos seus objetivos; a certeza provém das próprias forças propulsoras."

Simone de Beauvoir

sábado, 18 de setembro de 2010

Dez Minutos Sem Razão

Esse seu silêncio me atordoa
E tantas duvidas me esgotam
São tantos os versos que me sobram
E tanta dor que aqui me sobrevoa

A tristeza me consome tanto
Que me vejo preso a tudo seu
A tantas cartas que você me deu
Acorrentado a seu encanto

Já nem caibo mais em meus sonetos
Já nem sirvo mais pra outra vida
E já nem sei contar mais sobre mim

Vago a noite em vários leitos
Procuro algo que me divida
Para que não escreva mais assim

Bons Amigos

"Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!"

Machado de Assis

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Poesia Rima Com Nostalgia Pt. 8

Mês de tanto valor pra mim
Tão simbólico e marcante
E eu preso em passados, sem fim
E por fim sigo adiante


Agosto foi importante
Mudanças de vida, de gente
E já não sigo vacilante
Sei o que me espera a frente


Sei que já não dependes de mim
Enquanto todos dependem de ti
De sua independente paixão
E de ter perto, te ter aqui

Eu guardo o que cabe em meus braços
Coleciono estrago e desaponto
Vivo assim, cada dia um dia
E vou tropeçando em cada encontro

Divago em liberdade
Me envolvo em minha mente
Vejo o que voa livre, longe
E volta de repente

Acordo em sonhos invisíveis
E vejo a passar, levemente
Afogada no medo de não ser notada
Tão diferente, tão inocente

E quando acordo nada espero
Dos outros só solidão
O silêncio em conjunto
Me contento com seu não

E escolhi seguir o fácil
Aceitar como meu destino
Depender de qualquer sorte
Viver a vida num cassino

Mas me pego na tristeza
De ver que machuco seu coração
Ver que sou só motivo
E não mais uma solução

E ainda sigo sendo como posso
Vendo quem vem, quem vai
Visando um topo qualquer
Um céu só meu, que não cai

Vejo um reflexo desconexo
Uma obsessão ou uma cura?
Muito além de bem e mal
Uma cativante loucura

Me jogo por várias esquinas
Apenas pra te procurar
Meus cigarros não saciam
Na caminhada por todo bar

Sabe, reescrevi nossa história
Da forma com que pude ver
Reescrevi como enxergava
Um novo Eros e Psique

Pintei uma amiga em palavras
Pra me deixar um pouco de lado
Tentei escapar da minha mente
E assim ver que estou mudado

Até fiz penúltimas notas
Endeusando o imperfeito
E que nesse vil momento
Eu guardo como um defeito

E tanto mês passou assim
Simbolismo tão marcante
E eu parei no passado sem fim
E tudo em volta vai adiante


Em agosto, eu tolerante
Vi mudanças... vida e gente
E vejo um mundo vacilante
Não espero, sigo em frente

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Esfinge

Há um emaranhado de sensações dentro de mim
Também um passado de borrões que não tem fim
Tudo assim manchado de ilusões a muito mortas
E algum recado de expressões em linhas tortas

É tudo passageiro e passa rápido
É tudo um jogo onde o dado rola ávido
É tudo tão ligeiro que nem se vê
E ainda arde em fogo se você crê

E tudo isso dentro da minha mente
É um grande enigma, junte as peças
Se julgas importante ao menos tente
Ou me veja batendo aqui, nas mesmas teclas

Se enxergas no meu rosto quem realmente sou
Enxergues em um todo o que esse rosto se tornou

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Teia

Ainda restam suas impressões
E as minhas digitais pelas paredes
Sobram aqui suas contradições
E minhas certezas emaranhadas, feito redes

Nas minhas gavetas seus versos
Os meus estampam cada parte do meu ser
E na minha cabeça repleta de universos
Vejo o seu distante... Como queria o ter

Eu te bebo, te devoro, te consumo sem cessar
Te escrevo, te exploro e me assumo a desejar
E ainda assim não me vejo livre de ti
Eu te vejo, por ti choro, não durmo pra não sonhar
E já não creio que imploro, sumo pra não te encontrar
E ainda assim te sinto e vejo onde quer que possa ir

sábado, 11 de setembro de 2010

(Não) há saída

"No hesitation, no delay
You come on just like special K
Just like I swallowed half my stash
I never ever want to crash

No hesitation, no delay
You come on just like special K
Now you're back with dope demand
I'm on sinking sand
"

Me curei de todos os meus vícios, menos um
Me curei de tudo que me faz mal, quase tudo
Me curei de todos os erros comuns, menos um
Me curei de tudo o que sentia sem querer, quase tudo

E assim eu vou levando
Triste e melhorando
Rindo e me drogando
Com tudo o que você (não) me da

E quando um dia eu tiver sorte
Ou então quando você se importe
Ou quando vier a própria morte
Tudo isso vai passar...

Ou não

"Gravity
No escaping, gravity
Gravity
No escaping... Not for free
I fall down... Hit the ground
Make a heavy sound
Every time you seem to come around"


Trechos em itálico da música "Special K" do Placebo

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Insônia

A insônia vem me devorando,
Dia após dia...
Me consumindo, desgastando,
Crescente agonia,
A insônia vai me trabalhando,
Fazendo de mim o que queria
Me partindo, me moldando,
Entrando na poesia.

Me alterando
Segundo sua vontade
Me traduzindo
Nas noites em claro
Me recriando
Com requintada crueldade
Me destruindo
Com um toque raro

A insônia me transformou
Em tudo isso que hoje sou
E mudou também o que passou
E o que ainda vai passar
Se é que irá chegar
Um novo dia pra recomeçar

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Medo

Medo

De toda luz tremulante que atravessa sem dó nenhum a minha sombra
De todas as palavras sinceras que cortaram devagar o que eu silenciava
De toda cruz que era um peso agradável e que ainda assim me assombra
De toda mão que estendida tentou me levantar do poço ao qual eu me agarrava

E ainda resta o medo
De continuar sentindo
O que senti tão cedo
Ir devagar me partindo

De ficar sozinho
Só a sua ausência
Com tão pouco caminho
Matando sua inocência

E ainda resta o medo de ficar sozinho
Só a sua ausência continuar sentindo
E o que senti tão cedo, tão pouco caminho
Matando sua inocência, devagar me partindo

Me resta a sombra
E tudo o que assombra
Palavra silenciada
Tristeza reforçada

Te resta a luz
Não há mais cruz
Palavra sincera
O que eu não era

E eu em minha sombra te vejo passar em luz
E tudo o que me assombra eu carrego como cruz
As tuas palavras tão sinceras, silenciadas
E o que eu não era... uma tristeza forjada

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Névoa

Quando me pegares olhando o nada
De olhos profundos e cara fechada
Saiba que estou sonhando

E quando em sonho me encontrares
Sorridente, respirando outros ares
Saberás no que estou pensando?

Vez ou outra irei despertar
Esperando você me encontrar
Apenas te idealizando

E se me deixares na solidão
Volto aos sonhos, a ilusão
De lhe ter me procurando

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Dia Quente

"Sirva meu copo"

Estava ele, sozinho em um bar qualquer. Aquela dose de whisky não duraria muito em suas mãos, mas ele logo pediria outra. Enquanto isso todas as janelas pareciam lhe observar. Todo o mundo parecia parado ao seu redor, nem o vento soprava.


Te ver passar já foi uma alegria
Te ver era a base de um doentio dia a dia
E agora olha só como estamos...

Você já foi motivo pra muitas escolhas
Você já foi poesia pra tantas e tantas folhas
E olha só como nós ficamos...

Agora só me resta sonhar ou então quem sabe
Tentar afogar todas as minhas mágoas e tudo o que não cabe
Mais em mim... Rezar pra que tudo isso acabe
E talvez assim poder aceitar um fim.

Ou então um melhor destino pros dois
Quem sabe tudo se ajeita depois
Quem sabe um pouco mais tarde, pois
Ter paciência é inerente a mim
Mas só pra você e ninguém mais...
Enfim, lembre de tempos atrás
E quando um pro outro era paz
Claro, já não sou o mesmo rapaz
Me entreguei a um mundo voraz
E agora sei, que só você traz
Tudo o que eu espero pra mim
Tudo que eu espero de alguém
Tudo o que eu sei sobre bem
Tudo que eu quero pro fim

Pensa!

"Pensa! O pensamento tem poder.
Mas não adianta só pensar.
Você também tem que dizer!
Diz! Porque as palavras têm poder.
Mas não adianta só dizer.
Você também tem que fazer!
Faz! Porque você só vai saber se o final vai ser feliz depois que tudo acontecer."

Gabriel Pensador

sábado, 4 de setembro de 2010

Mandolin

Havia, sobre várias luzes, um casal
Como se o foco de um desses dramas
E a cena sobre um grande palco em chamas
A desabar, como tudo que é natural

Havia no casal um ele
Que não dançava conforme a dança
Não é companhia que se aconselhe
Mas que sabia criar esperança

Havia também a outra parte
Ela que só sabia dançar
Que via a vida quase como arte
E que aguardava ansiosa seu par

Um encontro e os dois ao chão
Talvez fosse só ocasião...
Nada demais, sem razão
Ou opção? Será que não?

Pra eles havia uma última valsa
Talvez um réquiem de um belo futuro
Ou um princípio bastante inseguro
Ou só uma vontade falsa

E os dias iam só passando
E os dois lados se encontrando
E passo a passo se juntando
Desconversando, se enganando
E um destino se formando
Entrelaçando e separando


Algo que nunca foi um só