Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

domingo, 30 de maio de 2010

Omega

"Que homem arruinado é esse
Carne translúcida e ossos frágeis
O tipo de tempo onde as putas e vilões
Tentam o livro holistico

Correndo desenfreado com pensamentos livres para livres formas
Na liberdade e clareza
Onde as matérias são deixadas pra fora como fios de tecido em
uma lavenderia
Examinar e se concentrar no maior, melhor, agora

Nós todos temos pecados que precisam ser colocados pra fora
Virtudes pelo despedaçado
E leis e sistemas
E troncos surgem dos ramos do escritório

Você sabe o que o seu aviso acarreta?

Você tem um proposito a servir?
Ou serve de proposito?

Deitado dentro de sua abundância
O valor de um verão gasto
E um inverno conquistado

Para o resto de nós sempre há o domingo
O dia da semana para o descanso
Mas tudo o que fazemos é recuperar o folego
Para que passemos com dificuldade pela piscina de sangue
E coloquemos a mão no grande livro preto

Assistir as facas fazerem zig-zag entre nossos dedos doloridos

As férias são uma contagem regressiva
Cada vez menos de sua vida
É hora de arrastar sua lingua no copo de açucar
E esperar que você sinta o gosto

Mas pra que tudo isso? (O que diabos está acontecendo?)
Cala a boca!

Eu poderia continuar, mas vamos prosseguir

Digamos que você é eu, e eu sou você
E eles assistem as coisas que fazemos
E como uma porrada de rancor
Me jogaram escada a baixo
Não me sinto assim há anos
O grande ímã de rejeição maliciosa
Me deixe ir e
Me dê um soco no ponto morto de novo

É pra lá que você vai quando não tem mais ninguém ao seu redor
É só você
E nunca teve ninguém, teve?

Malditos pretenciosos, covardes
Com seu polegar no pulso
E um dedo no gatilho

Confidencial o caralho! É um segredo e você sabe

Governo é outra maneira de dizer
Melhor
Que
Você

É como gelo inquebrado
Uma acusação de assassinato que não é aceita
É como outro mundo
Onde você pode sentir o cheiro da comida
Mas não pode tocar nos talheres

Que sorte
Por fascismo você pode votar
Isso não é legal?

E todos vamos morrer um dia
Porque esse é o “jeito americano”
E eu bebi demais
E falei de menos
Quando seu assistente gravou no meio
Diga uma prece, evite a humilhação
Se recupere e (veja o que está acontecendo)
Cala a boca! (Vai se foder!)
Vai se foder!

Desculpe, eu poderia continuar mas
É hora de prosseguir, então

Lembre-se de que você é uma ruina, uma cidente
Esqueça da aberração, sua natureza

Mantenha a arma lubrificada e o templo limpo
Merda, bufe e fale blasfemias
Deixe as cabeças esfriarem e os motores esquentarem

Porque no final
Tudo que fazemos
É tudo que fizemos"

Corey Taylor

Nenhum comentário:

Postar um comentário