Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Poesia Rima Com Nostalgia Pt.4

Poesia Rima Com Nostalgia

Depois de muita caminhada
Nos vemos nos mesmos lugares
E vemos que não mudamos nada
Só estamos um pouco mais vulgares

E no quarto mês sem mim
Meu corpo foi se acostumando
Quem sabe daqui até o fim
Algo enfim vá melhorando


E como sempre nunca acaba
E só resta versos pra agonia
E como sempre isso traz
Mais motivos pra poesia

E eu vou de novo ao seu encontro
E levo comigo o que sempre guardei,
Aquelas velhas palavras suas,
E cada momento em que eu te amei

Eu sei que não era pra ser assim
E que eu como sempre, pus tudo a perder
Sei que sempre sobra a despedida
Mas juro que sempre tentei entender

Saiba que nada me cura
Eu já lhe expliquei, amor
Sobre os meios de esquecer
E levar a vida sem rancor

E dos erros irreparaveis
Quero fugir, só ir embora
Não tenho espaço pra guerras
Já passou da minha hora

E nesta cama eu me deito
Coberto em frases que falei
E no final sou só um escravo
Desta vida que manchei

Quantas vezes disse
Que só não da pra ser
Não da pra prosseguir
A lugar nenhum sem você

E nada é como eu escolhi
E isso me faz ser bem menos
Do que poderia ser
E eu me entrego aos meus venenos

Acho que no fim eu quero
E não lembrar do fim
E não quero mais sentir
Ou ouvir falar de mim

Meu eu-lírico jaz morto
Soterrado em notas breves
Esmagado pelo peso
Das palavras nunca alegres

Quem dera hoje sublimar
Ou ser falso e inconcreto
Só um jeito de fugir
Desse mundo tão concreto

Já não há passagens
Nem mesmo histórias
Nem mensagens
Apaguei as memórias

Rasgarei as fotografias
E tudo que houver de errado
Se posso ser esquecido, esquecerei
você que está ao meu lado

E no meu sonho havia tanto
Concreto caído ao chão
E vários destinos certos
Mortos na contra-mão

Não fugirei, não mais
Está na hora da entrega
Não há mais como sair
Pois não saida pra quem nega.

Filosofias de bar
Tudo é igual
E que as frases durem um mês
Ou até o final

Pois minhas pegadas já marcaram
Um caminho só da minha alma
A escolha da solidão
Foi feita com calma

Depois de nunca dar em nada
Cansei dos mesmos lugares
E parto pra outra caminhada
Buscando outros lugares

E no quarto mês sem fim
Meu corpo foi melhorando
Quem sabe o melhor pra mim
E ir logo se acostumando

Nenhum comentário:

Postar um comentário