Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Una Valsa, Sempre Ela

Ela se levantou
Disparou olhares de pena
Então valsou
Aquela valsa serena

Faltava lhe um par
Um principe do mundo só dela
Mas naquele imundo bar
Ela era a única alma bela

Mas ainda assim dançava
Sua a dança era a única luz
Já não sonhava
Cantava a música que compus
E assim valsava
Carregando a sua própria cruz

2 comentários: