Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Oração da Madrugada

O tempo corre e eu permaneço sentado
E ao meu lado a vida passou
Pois se sentado permaneço abismado
Parado resolvo os fatos

Se o tempo me falta nos versos que
Assim escrevo
O tempo me sobra nos versos
Em que me descrevo

Se a vida me falha em horas
De minutos lentos
A vida se faz presente
Em cada um dos momentos

E se me falta o senso
Nos meros segundos passados
Quem lhe fala
Fala em contos inacabados
E se me falta a filosofia
Saiba que
Vivo em cada dia
E vivo não serviria


Se presto ou não
Quem sabe o tempo
Me de razão
Quem sabe não

Se lhe digo isso agora
Não pense duas vezes
Me jogue fora
Vivo não sirvo
A não ser pro propósito
Pelo qual sobrevivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário