Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Solidão

Lá está ele a chorar

Sem se quer saber até quando

Sem nem saber por qual esquina

Seu pranto está a rolar


Acúmulos.

E triste, não sabe de onde

Inúmeros reflexos o fazem transbordar


Lágrimas se infiltram

Fertilizam algum coração


Podemos até ver

Através das janelas embaçadas

Alguns olhares curiosos

A interpretar seu infinito pranto.


Mas apenas o sol entende

Que é sua ausência que faz o céu chorar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário