Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

sábado, 15 de abril de 2017

Abril Despedaçado

São quinze dias de um abril despedaçado
E eu já me pergunto quando chega a intervenção
Lembro do que me disse, também lembro a sensação
Revivo diariamente as derrotas do passado

É difícil ser alguém nesta nova madrugada
Mudam os dias, passam as horas, mas ainda estou aqui
Recalculando rotas, procurando onde eu perdi
A vontade de ir frente, atravessar a derrocada

Eu nem sei porque é que sofro, sei que sofro e isso basta
Sei que guardo muita dor em cada um de meus processos
Sei que enfrento a tempestade e não espero ter sucesso
E no final sigo na praia com meu corpo que se arrasta

Eu queria ter certeza de que algo vale a pena
Ou então um jeito fácil de acabar com o gosto amargo
Trazer resposta a tudo que hoje soa assim tão vago
Ou até um jeito fácil pra então sair de cena

Nenhum comentário:

Postar um comentário