Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

sexta-feira, 30 de abril de 2010

A Matilha dos Sós

Por mais que a matilha se vá
Sempre haverá um lobo a velar,
Pra uivar, sem razão, ao luar
Da lua seu par sempre fará


As minhas pegadas já marcaram
Um caminho que poucos trilharam
Escolhi a solidão da alma
Pro corpo escolho, com calma

Não há na terra alguém certo pra mim
E assim será até o nosso fim
Separado por céus da lua, meu par
A única luz a me acompanhar

Não quero te deixar más lembranças
Ou fazer esperar com vãs esperanças
Não há na terra alguém certo pra mim
E mesmo que tentes serei sempre assim

A matilha ideal é a dos lobos unidos
A minha é formada pelos lobos feridos
A união se dá pela mesma solidão
Seja uma escolha ou uma condição

Só há no céu alguém certo pra mim
E sei que lá estarei, a seu lado, no fim
Eu escolhi ser acompanhado só pelo luar
Escolhi por fazer da Lua meu único par

Um comentário: