Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Despedida

Vou ao seu encontro.
Levo comigo as palavras que nunca disse
E as sentenças que tu me destes
Levo embaixo do braço algumas palavras suas
Algumas lembranças suas
Ou das varias luas em que me esperastes.

Vou ao seu encontro.
Sem espada ou escudo
De peito desnudo
Pronto pra cada e qualquer golpe
Vou e não espero ser perdoado
Quem sabe amado se nunca tem fim.

Se ao acaso me recebes sorrindo
Levo-te comigo e não te largo mais
Mas se eu te vires chorando
Vou me sangrando e não retorno mais

Vou ao seu encontro.
Levo comigo o que sempre guardei
E cada momento em que te amei
Levo comigo a plena esperança
De quem nunca alcança
Mas sempre se lança de novo a tentar


Vou ao seu encontro.
Não tenhas medo, será o último
Se me sentencias a viver sem ti
Juro não passar mais por aqui
Juro não pensar mais em nós dois
E o resto da vida, planejo depois

Mas se ao acaso nem me recebes
Rogo lhe pragas de falsos horrores
Se ao acaso me renegues
Levo minhas chagas e os velhos amores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário