Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Sonho de Concreto

Atropelado por asfalto
Que nunca para de correr
E embaixo do prédio mais alto
Ainda há algo a florescer

A cada sonho de concreto
Que cai dos céus ao chão
E pra cada destino certo
Que vem e vai na contra-mão

Nas janelas não há nada
Nada mais a observar
Construção inacabada
Que vela quem passar

Fazendo da fumaça o pão
De quem tenta respirar
Hoje nas ruas só há chão
Mas ninguém a caminhar

Nenhum comentário:

Postar um comentário