Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

sábado, 3 de abril de 2010

Poesia Rima Com Nostalgia Pt.2

Poesia Rima Com Nostalgia parte 2 - Fevereiro

No mês que tudo se acaba
E nada ainda começou
Eu me entrego à nostalgia
De tudo o que passou

De todos os maus momentos
Já não quer mais lembrar
A cada mês um sofrimento
E nada parece acabar


Pois minha vida é um xeque-mate
De lados sempre alternantes
E cada um dos meus ataques
São momentos desgastantes

Sempre quis você e só
Lembra-se que lhe escrevi?
Queria tudo de você assim
Mostrei tudo que senti

E você dançando, sua cruz
E já não mais sonhava
Sempre lhe faltou um par
E mesmo assim valsava

Minha angústia ninguém mediu
Ninguém viu minha desolação
Todos a me torturar
Cortavam meu coração

Acabo-me aqui, em poesia mal escrita
Contrastando alegria e sofrimento
No cinza que se tornou dia a dia
Eu sempre me vejo nesse tormento

Nas madrugadas vejo o tempo passar
E ainda assim vivo cada dia
E a filosofia dos contos inacabados
Aqui e viva jamais serviria

E no meu terceiro ato
Da história dos presentes
Mostro a dúvida encenada
Só por magos decadentes

E nesse espelho que me vejo
Refletido nesse quadro
Vejo a vida em cada fato
Nesse quadro em que me enquadro

Acabo no bar com meu irmão
Solução de todos os momentos
Não é engraçado a vida unir
Dois péssimos elementos?

Perder dois anos não é fácil
Ele teria então que muito lutar
Para recuperar o seu papel
Para reconstruir o seu lugar

E nós que começamos tudo errado
Não temos mais nada pra mudar
Nossas vidas agora não servem mais
Devemos sempre caminhar

Depois de tantos futuros mortos
E de corpos, copos na estante
Peguei os retratos e coloquei na parede
E agora aguardo o próximo instante

No mês que tudo se acabou
E nada ainda começa
Eu me entrego à nostalgia
De tudo o que nunca passa

E cada um dos maus momentos
Já não quero esquecer
A cada mês um sofrimento
E assim temos que viver

Nenhum comentário:

Postar um comentário