Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Papel Nosso De Cada Dia

Veja só, a que ponto você me trouxe
Me tomou só pelo prazer de uma conquista
E se fez de herói como qualquer artista
Seu toque nunca foi como pensei que fosse

Nem sua tristeza era concreta
Fingiu sofrer só para ser poeta
Enquanto o mundo todo em volta estremecia
Desaba(fa)ndo em coisas que você nem sentia

E agora o que me resta, além de solidão?
Um recado no espelho e um sorriso de anteontem
Um cinzeiro cheio de pontas apagadas e frias
Eu sei que seus passos e acasos não mudarão
E que escutarei tudo que, sobre ti, me contem
Apenas pra preencher minhas noites tão vazias

Um comentário:

  1. Quanta tristeza.Quanta ilusão :/ Não se bote no papel,meu velho amigo.Vaze dele,e não corra ao mesmo lugar.
    Eu sei que aconselhar,não vale muito.Mas eu me preocupo,mesmo que não acredites.

    Encontre novos livros.E deixe,os "novos dias tristes ,noites claras."

    Estou aqui,se precisar.

    ResponderExcluir