Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Mesmo que seja assim

Avise quando for embora
Conte seus passos pra que eu feche seus espaços
Leve os teus traços pra que eu apague os seus rastros
Pra que limpe da memória os teus abraços
Pra que não sinta mais teus braços
Que me desprenda de tantos e tantos laços
Que me prenderam a tanto tempo...
Grite ao vento, todas as suas verdades
Suas vontades antigas e escondidas
Suas ilusões reprimidas e palavras contidas
Não me poupe de nada, nada
Eu escolhi ser assim
Eu escolhi não ter fim
Eu escolhi só você
Mesmo que nunca pra mim

Nenhum comentário:

Postar um comentário