Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

domingo, 18 de julho de 2010

No Fim

Oh Céus.

Nunca entendi de onde veio tanto azar
Essa grande tendência de piorar
Nunca entendi como funciono
Nem porque eu sempre me emociono

Não sei porque as coisas são assim
Nem posso prever como serei no fim
Só sei que não quero mais saber
Só viver; só, viver; Não só viver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário