Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

domingo, 24 de outubro de 2010

Cantante

Não que nada seja pouco
Ou que tudo seja um tanto
Mas pra quem procura encanto
Antes nada do que um louco

Sei que a sorte é o acaso
E que o azar sou eu quem faço
Mas seguir o mesmo traço
Deixa tudo tão mais raso

Pra os que são sem nada ser
E que andam sem cessar
E Procuram o que buscar
Os que sonham sem viver
Que nada querem por querer
Imerso em medo de errar
No topo de um mal estar
Que está a muito a crescer

Sei, o tempo não é certo
Sei, o certo não é meu
Que o errado me escolheu
Pra andar sempre por perto

Sei de tudo que mudei
E que mudaram muito em mim
Que o final só é o fim
Porque no fundo me cansei

Futuros são só dias
E passados não passaram
Presenteados transformaram
O presente em várias vias
Agora junto agonias
Pra o que os dias me lembraram
E tudo o que marcaram
Eu transformo em poesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário