Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Redenção #1

São pequenas alucinações, é isso. Nada disso é pretensão, eu nunca quis evoluir, mas, como os delírios causados pela febre, a nossa pele se endurece a cada epifania. A ilusão da melhora, a busca pela redenção, eu só queria ter suas mãos nas minhas essa noite. A claridade pra encerrar a sombra confunde-se com a claridade da manhã e a clareza da sua pele, tudo isso somado e eu venho me precipitando à sua justiça.


Quem somos nós nesse novo dia? Quem seremos amanhã? Nada além de estranhos em alguma noite que não se repetirá. Devo me acostumar com essa maneira de ser, ser não sendo alguma coisa de você. Poderia escrever pra sempre sobre pontes que atravessamos, sobre noites que nos entrelaçamos, sobre como nos machucamos e nunca diria nada, porque diante da nossa realidade atual, o passado já não tem veracidade.


E eu sou resultado da sua desonestidade ou da minha? Da sinceridade de um amor desperdiçado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário