Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Soneto de Dezembro

Todo sonho morre um dia
Toda vontade vai embora
Mesmo com toda a demora
Todo grito silencia

Toda certeza fica incerta
Toda beleza se apaga
E a esperança fica vaga
Quando o coração aperta

Mas o que se vive de verdade
Não nos deixa num instante
Como um desejo que tem fim
Permanece então saudade
E a dor contagiante
Que é você, dentro de mim

Nenhum comentário:

Postar um comentário