Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Recordando

"Meu coração e meu olhar, em paz constante
Vivem a mutuar, agora, estreme agrado
Quando o olhar fome tem de ver algum semblante
Ou o coração a arder de amor se afoga ansiado

Do meu amor na bela efígie o olhar refaz-se
Da fome, e o coração com ele se banqueteia
Do coração também conviva é o olhar e, em face
Um do outro, tem os dois sonhos que o amor ateia

Ambos, assim, por meu amor, por teu retrato
Embora estejas longe, a mim te põem presente
Porque o meu pensamento, aonde fores, de fato
Irá, é porque estou nele e ele está em ti permanentemente

Se ele dorme, a tua efígie o coração me alerta
Para o gozo cordial e visual que desperta"

William Shakespeare, Sonetos

Nenhum comentário:

Postar um comentário