Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

quinta-feira, 13 de julho de 2017

O Caco de 2017

Transportado ao velho amanhecer que nunca foi embora
Sou aquele que viveu se repetindo por gostar de repetir
Aqui dentro ainda é noite, enquanto o sol brilha lá fora
Ao luar eu vou gritar tudo o que eu não quero ouvir

Tudo isso aqui é meu, até as chagas que deixaram
E vocês nunca imaginaram o que eu guardo pra mim
E é melhor que seja assim, pois dos muitos que me amaram
Só os que se encantaram que eu levo até o fim

O velho amanhecer é a sombra do futuro próximo
A sensação de que o mundo vai passar desencontrado
E todo o verso trabalhado não será utilizado
Porque ninguém consumirá o que é altamente tóxico

As ilusões foram embora, os fantasmas vão também
Se o velho amanhecer voltou, que o céu azul revele
Os terrores que me cobrem e que habitam minha pele
Abraçar a insanidade é o que sempre me convém

Nenhum comentário:

Postar um comentário