Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

domingo, 5 de junho de 2016

Sobre a Chuva #3

Agora o tempo fica frio, pra me equilibrar por dentro
Eu tenho usado do meu tempo apenas o que lhe cabe
E o resto do meu dia eu só espero que acabe
Afinal não me parece haver outro contentamento

É a ansiedade que me mata, é a gana pelo olhar
Estar perto é o que sacia essa vontade absurda
Desejar que me procures, nem que seja por ajuda
Desejar que me procures, sem ao menos desejar

E já não chove na minha rua, deve ser algum sinal
De que o mundo está maluco ou fui eu que alucinei
Tanto faz, pois na verdade eu apenas me cansei
De mais gente e então mais gente que é sempre tão igual

Então você me aparece e traz consigo a tempestade
Mil garrafas diferentes não serão suficiente
Eu dissipo a tua tormenta pra que nada atormente
E te peço pra ficar enquanto for tua vontade

Nenhum comentário:

Postar um comentário