Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Murmúrio

Outro amor há de envenenar o peito de quem se abre
Pra mim sobra o anseio de que o dia termine bem
Me faço refém a cada ano de um novo mal-estar
Saber que trago dor a qualquer um que queira amar

Mais um amor pra coleção de amarguras do passado
Outro recado pra lembrar que não fui feito pra encaixar
Até ensaio uma mudança de visão pro meu futuro
Guardo essa dor como um murmúrio que me assombra ao me deitar

Quem se arrisca a ter afeto por alguém assim tão vil?
Irresponsável, abro as portas para a próxima vítima
Sei do mal que vou causar, será que busco distração?
Outro ombro que sustenta a minha imensa solidão

Já não suporto ser aquele que deve ser esquecido
Mas lá no fundo eu sei que só assim posso seguir
Assumo a culpa da insônia de cada um dos meus amores
E de todas as mulheres com as quais irei dormir

Sinceramente, me incomodo, mas o que posso fazer?
Há tanto amor no impossível que eu me entrego facilmente
Peço perdão por esse caos que causei em tua vida
E com a alma dividida deixo que sigas em frente

Não sou o homem que te fará feliz, querida
Mas não tema o amanhã e a dor que causa a minha ausência
Sofrer é a parte mais comum desse amor tão complicado
Mas sofrerias muito mais ficando do meu lado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário