Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Pura Insanidade

Eu sinto tanto pela gente
E essa distância que se estende
Pois a cada dia que te vejo
Estás sempre mais distante

Por você eu sinto demais
Talvez amor ou muito mais
És todo o desejo
Desse pobre e louco amante

E agora, minha amada
O que eu faço sem você?
Como seguro minha vontade?
Você, luz da madrugada
Eu, morrendo pra te ter
Somos pura insanidade

2 comentários: