Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

quarta-feira, 9 de março de 2016

A Arte das Coisas Pequenas

Ninguém veio acompanhar o último ato desta peça
Eu escorri sozinho o drama no tablado frio e duro
Olhei pra fora e nada, aqui dentro estava escuro
No fim de tudo não há mais ninguém que se despeça

E quando eu vi estava só, quando vi não era ninguém
Quando eu vi não havia nada em mim que valesse a pena
Eu queria ser melhor, atuar enfim em outra cena
Mas agora eu quero mesmo é que tudo termine bem

Toda dança tem um fim, toda história acaba um dia
E as obras mais brilhantes não devem recomeçar
O final tem que ser bom e deixar tudo esmiuçado
Eu fui tudo no roteiro e nesta coreografia
Eu fiz tudo o que podia e conseguia pra atuar
E quando entrar nesta cochia, tudo estará acabado

Nenhum comentário:

Postar um comentário