Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

domingo, 1 de março de 2015

Fábula

Desmistifica-se a juventude sonhadora
Cresci bem mais nos versos tristes que na ode
Foi-se o tempo das histórias encantadas
Foi-se o tempo em que a inocência nos fazia acreditar
A fábula acabou, mas o amor não

Mas teço os contos mais fantásticos sobre nós
Faria inveja nos príncipes e princesas
Viver feliz eternamente é a ilusão
De quem espera à mesa a mão que ergue só
Qualquer castelo de romance inabalável

Pego os cacos dessas inúmeras tragédias
Lhe faço o domo que protege as tuas pétalas
Teus espinhos são como os demais
Tira meu sangue pra regar tuas raízes
Toma meus olhos pra observar tua beleza

É muito certo que acertamos algo bom
Em algum futuro irão contar essa história
"Como sofria de amores esse jovem
Mas teve o amparo de uma mão iluminada
Amor como esse é certamente de cinema"

Mas não há mística nisso tudo que vivemos
Sabemos que estamos lado a lado
Tens em mim o companheiro se quiseres
Amante e amigo, guiarei teus passos vagos
Pra que o caminho seja sempre bem traçado

Juntos daqui pra frente, sofreremos
Sofrer é parte de qualquer história boa
Não há verdade em um amor que não é triste
Não há amor se não houver verdade
Na realidade...
Não há nada se não for com você

Nenhum comentário:

Postar um comentário