Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Ternura

Eu não queria ser somente um momento, não

Mas não imaginei ter seu coração
Não queria te ver passando
Como vento
E agora nem posso olhar de perto
Eu não quero ser lembrado só por fotos
E nem mesmo ser alvo de arrependimento
Nunca quis ser alguém digno de votos
Mas lacro aqui mais uma vez o sentimento


Presas no mural as velhas fotos, amarelas
Contornadas por todas as palavras belas
Que eu consegui lembrar pra descrever
Cada momento que tive a sorte de viver

Coincidentemente, amor, todos com você


Velhas coleções de manchas, lágrimas e cera
Lembranças de cada sexta feira e hoje eu sei
Que pra mim fostes a primeira

A primeira que eu perdi por sorte
Pra talvez poder voltar mais forte, já derrotado
Tenho abraçado a velha sorte
Pra ter você de corpo e alma
Cuidar de ti em minha palma
Sonhar contigo é amanhacer
Não ter seus braços pra me proteger do fim
De mim
Mesmo sem o seu sim, seu consentimento
Levo embora cada sentimento meu
e rezo pelo seu, sei que seu amor não se perdeu.


Veja amor, o dia escureceu.
Vejo agora a mesma lua e o mesmo céu

daquela quarta-feira, dia seis. Lembro do que te escrevi
Lembro dos dias que vivi e de quando revivi
Cada momento com você.



Me desculpa, enfraqueci novamente
Quando disse que ia embora de repente, nem mesmo eu acreditei
Não sei se lhe enganei, mas aqui estou, voltei
Nem sei se é pra ficar...

Mas prometo não trancar seu corpo,
Prometo liberdade dos meus braços
Braços, que já não lembram dos abraços
Que um dia souberam dar.



Meu erro foi querer você com força extrema
Mas querer sempre a pequena forma de te amar
Achar que não precisava mudar, que bastava o afeto
E agora não adianta ser discreto, pra te reconquistar
Quem sabe mil poesias? Ou duas...
E agora, todas já são suas e eu nem sei mais o que contar...


Venha me buscar, me achar, encontrar, salvar.
Esquece do que eu fui, vem viver o que eu sou
Por você hoje que eu sou o homem que eu queria ser.
Sem você não há razão de levar tudo isso ao fim
Eu me rendo, sim.
Enfim, deixe que eu te ame e me ame ao mesmo tempo
Quem sabe assim, com um passo lento vamos até o firmamento
Que é onde você está, linda e sem chorar
Radiante, a me esperar.
Pra que eu possa em paz te amar
E ser só seu,
Tão ternamente

Nenhum comentário:

Postar um comentário