Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

sábado, 20 de dezembro de 2014

Há Seu Nome Em Todas As Coisas

Já é sabido, solitários imaginam coisas além

Há seu nome em todas as coisas
Tuas cores me seguem na esquina
Teus olhos me seguem de noite
Teus passos viraram minha sina
Teu corpo me toma de escravo
Me entrego sem nem protestar
Mas de repente o sonho se vai
E a noite nunca vai acabar

Há seu nome em todas as coisas
Em todos os textos que leio
Em todos os filmes que vejo
Você sempre a provar ao que veio
Mas sempre leva tudo isso embora
Há teu nome em todas as coisas
Mas restam bem poucas agora
Restou o amor que responde por ti

É claro que todos os poemas de amor estão tristes agora
Afinal, você foi embora levando a essência
Poesia e saudade só combinam em sonho
Quando a realidade bate a dor é maior
É claro que tudo está meio cinza
A não ser quando a esquina se pinta de sol
Você cruza a rua e carrega meus olhos
Mas o mundo todo decai ao redor

Há seu nome em todas as coisas
Até nesse meu desespero
Que eu nunca deixo virar desesperança
Continuo guardando o amor inteiro
Há seu nome em todas as coisas
Até o velho novo lamento
Se deprimiu ao te ver partindo
Veio a mim em busca de alento

Há seu nome nas placas da rua
Mas sei que não busca retornos
Sei que estás longe e assim
Não me queres em teu entorno
Mas seu nome permanece em minha boca
Todos já estão cansados
Já é sabido, solitários imaginam coisas além
Eu só quero você do meu lado

Nenhum comentário:

Postar um comentário