Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Aos Tolos

Pros olhos que fecharam, eu vim de braços abertos
No silêncio me julgaram por seguir passos incertos
Eu quis mais do que devia e pago com meu desespero
Eu quis dar tudo o que tinha, sem nunca ter sido um inteiro

A perfeição é para os tolos
Quem muito espera nada tem
Ficar amargo em desconsolo
De não ter ido mais além

E enquanto esperam pelos certos
Os braços que vem para salvar
Eu atravesso estes desertos
Sem saber o que procurar

Mas eu achei o melhor sonho
Não interessa o bem ou mal
E eu já não me envergonho
De escolher o que é real

Porque eu aprendi que o ser perfeito que os tolos buscam
Buscam uma perfeição bem maior do que a tolice

Nenhum comentário:

Postar um comentário