Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

domingo, 13 de novembro de 2011

Obsessão

Significado de Obsessão:
s.f. Ação de obsedar, de importunar.
Sentimento, idéia, conduta que se impõe a uma pessoa atingida por uma neurose obsessiva.
Fig. Idéia fixa, preocupação constante

Acordar é muito difícil quando a gente para de sonhar. Eu já tentei de tudo, de remédios a drogas, de planos a provas, mas nada parece preencher um espaço que se criou aqui dentro, nada pode ser se eu não permitir que seja. E assim, eu fico aqui... revirando de um lado para o outro, procurando uma escuridão que me pareça mais confortável do que essa que eu me encontro, essa escuridão que é mais do que não se encontrar, é mais do que não ter direção... é simplesmente não sentir mais o que era o sentido de todas as coisas, que achei que vivia, que achei que sentia.

Eu já reli cada um dos meus sentimentos e corrigi todos os erros de concordância. Eu já refiz todos os versos. Já usei todas as rimas que eu conhecia e você merecia, e ainda assim, não consegues compreender que eu me repito porque você se repete. Eu assumi minhas doenças, mas não curei meus vícios. Já reafirmei os vícios, mas não encontrei respostas.

Eu já sei tudo o que eu podia saber sobre nós dois, mas não sei absolutamente nada sobre você.

E aqui continuo... Colecionando as minhas decepções e as suas frustrações, só pra mais tarde, pegar papel e caneta e escrever alguma tragédia em que o Pierrot apaixonado sofre por uma Colombina que nunca se importou com o amor que o pobre coitado lhe deu. Esse sou eu, o idiota que escreve sobre si mesmo, mas nunca conseguiu decidir se seria o Pierrot ou a Colombina e nunca teve a sorte de acabar por Arlequim. Que minhas palavras alimentem uma fogueira, pra finalmente terem serventia.

Pois bem, dessa vez eu vou tentar ser diferente. Assumo não estar escrevendo mais para você. Não espero mais por um impacto que nunca aconteceu, não são as minhas poesias que te chocam, meu amor, não são meus pensamentos que te inspiram. Dessa vez, quero que cada linha aqui seja um traço do meu rosto e que nas entrelinhas eu encontre a vergonha que me falta pra, finalmente, mudar essa obsessão que me consome a tantos anos. Você nunca devia ter se tornado pra mim o que eu fiz de você: essencial.

Essa busca, enfim, terá um fim. "Sentir" perdeu o sentido, porque não faz sentido se não eu não puder sentir por ti. Mas que seja, sabe, que seja assim, sem lógica, sem métrica. Talvez dessa vez eu não tenha razão, talvez o sentido de tudo isso seja não haver sentido, talvez eu encontre outros significados em outros contos que não o do Pierrot, talvez eu reviva tudo em outros braços, talvez eu faça os braços que me acolheram viverem o que eu vivi, talvez eu mesmo crie uma razão pra existência. Mas, de uma única coisa eu tenho certeza: chega de viver a obsessão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário