Eterno arquivo do que já não interessa
Vazio Infinito

quarta-feira, 6 de maio de 2015

A História Das Bobagens Que Eu Te Disse

Por tantas vezes se queimou o rascunho da história da vida que eu quis viver com você. Tantas palavras narraram o que eu sofri por ti, todas elas enfileiradas para agradar teus olhos, mas ouse rearranjá-las e verá que me fiz de mártir por sua alegria. A história das bobagens que eu te disse é isso aqui, nada mais do que a retratação de minha vida e das inúmeras peripécias que elaborei para arrancar o teu sorriso. Por isso queimo meu rascunho, essa dor morre comigo.

Não dá pra esperar nada de ninguém, essa é a grande verdade que a vida socou na minha cara. Mas por que não? Eu estive aqui o tempo todo, tão disposto a me fazer de ponte, sorrindo ao ser pisoteado, alegrei-me pela singela serventia em sua vida. Enfim a participação que pedi durante os anos. Será que só você não vê que eu sou a exceção? Espere o que quiser de mim, eu não vim pra te decepcionar. Por isso queimo meu rascunho, essa dor morre comigo.

Mas a história de nós dois é mais bonita do que os versos. A obra mais intensa e vasta que eu pude compor pra ti foi o amor de cada dia, o amor que ofereci sem restrições. Eu nunca quis que isso fosse diversão, nunca quis entretenimento. O que sou eu agora? O pecador condenado à cruz para satisfazer o desejo das multidões? Não é possível que a minha dor tem serventia pra alguém. Ela só deveria existir. Por isso queimo meu rascunho, essa dor morre comigo.

As pessoas me perguntam o que eu ganhei com isso
Tive sua mão junto com a minha por tantos anos, não é necessário nada mais.

Eu não quero me casar, não. Quero ser feliz. Eu não quero seu amor, não. Quero ser feliz. Eu não quero sua presença, não! Eu só quero ser feliz com quem quer que seja, da forma que for possível. Mas eu posso ser feliz com você. Meu amor por ti é desproporcional, tal qual o número de chances que dei ao nosso romance. Você quer ser a pessoa que vai compartilhar essa felicidade? Você tem lugar em minha vida, mesmo sem pedir por isso, porque eu acredito que sempre é possível ir além. Sempre foi possível tirar um tanto de alegria dos nossos desacertos. As épocas mais tristes nos brindaram com diversos recomeços e quem ousaria dizer que eu não fui feliz? Eu fui. Eu te proponho a minha felicidade somada a tua.

Sem mais rascunhos, sem mais histórias, sem mais poemas, sem mais desabafos. Eu reergo o que está desmoronado e me protejo sozinho de tudo. Não quero idolatria, não quero servidão, não quero fanatismo. Quero companhia bem disposta, quero aquela conversa que a gente não terminou, mas que podia render muito mais. Quero acordar cedo domingo e nem tentar te acordar, porque eu sei que você quer dormir mais, mas tudo bem, eu tenho coisas pra fazer no meio tempo, a gente se diverte juntos quando você se levantar. Quero escolher um filme novo, que a gente nem fazia ideia, que vai me deixar triste pensando nas desilusões, mas tudo bem, porque já passou.

A minha meta era espantar os fantasmas da necessidade. Fugir do que é essencial me abriu os olhos pra uma nova forma de te amar: simplesmente amar.

Quanto ao show de horrores desse sofrimento do passado, talvez a melancolia daqueles dias ainda exista, é possível. Mas eu tenho oportunidade de escolher o diferente. Eu já te disse tanta coisa pra chamar a atenção do seu coração. Agora que a tenho, vou dizer as palavras mais bonitas que me ocorreram nesses anos: você é a minha melhor companhia. É cabível dizer: amor da minha vida, mulher que escolhi pra mim, razão da minha felicidade... Mas eu acho que isso tudo já passou também. O que restou foi a certeza de que se eu puder começar aqui a minha próxima história, gostaria muito que você estivesse ao meu lado.

O que passou passou. Quer começar de novo?

É essa a moral da História Das Bobagens Que Eu Te Disse. Eu já disse, já passou, dá pra existir muito mais daqui pra frente. Talvez você queira fazer parte de outra história ou talvez você prefira procurar outro autor, mas tudo bem. Eu fui feliz com o destino da tua personagem. Por isso queimo esse rascunho, essa dor morreu, quando eu morrer ela vai comigo.

Eu não sofro mais. Não dói. Nunca deveria ter doído. Eu fui imensamente feliz, porque fui seu. Agora não sou, mas posso ser sua companhia nas noites que te ofereço, quantas noites você aguentar.

Tenho mais um monte de bobagens pra te dizer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário