Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

sábado, 18 de abril de 2015

Reticências

Preciso falar sobre o que o acaso fez
A discrepância que acabou com o que nós construímos
Se nosso destino não foi muito cortês
É melhor manter o amor, pois do resto desistimos

É muito rara essa vontade que a nós veio em excesso
A gente sabe que foi muito mais do que devia
E agora que lembro tudo deitado nessa cama fria
Guardo a escrita na gaveta e me privo desse resto

A ruína era certeza, já haviam previsões
A gente luta sem firmeza criando mil decepções
Apagando da memória que haveriam consequências
E seguimos a proeza só pra ver onde ia dar
No fundo o único caminho era só se machucar
Deixando mais uma vez esse passado em reticências

Nenhum comentário:

Postar um comentário