Histórias passadas de coisas não tão passadas assim

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Nossa Sincronia

Arde a dor que aos poucos, se apropria
D'alma, mente e da carne crua
E do desespero faz-se a amargura
Que aos poucos lhe consome a alegria

De que vale a consciência já tardia?
Se a vontade de ir frente era tão pura
E cada frase tua tão segura
Qual fim levou a nossa sincronia?

Na nossa história, tão real, faltou firmeza
Pra lhe dar a mão e acabar com essa distância
Pra que em sorriso, terminasse essa tristeza

Mas você prefere o medo à importância
Muda de vida, como muda a natureza
E se despede pra viver de inconstância

Nenhum comentário:

Postar um comentário